De que maneira a baixa autoestima interfere na vida amorosa e como equilibrá-la

É comum conhecer ou ver uma pessoa super legal, competente, magnífica se envolver em relações amorosas com pessoas abaixo do seu potencial, você já se perguntou por que isso ocorre?

Porque pessoas com baixa autoestima e baixa autoconfiança tem uma tendência a escolher pares que as decepcionam e não correspondem da mesma maneira que elas.

Quando a pessoa acredita e se julga inferior, ela busca de maneira inconsciente pessoas no mesmo patamar do que ela acredita ser.

Quando o contrário ocorre e ela se envolve com uma pessoa especial, como tem pouca autoconfiança o ciúme surge, e como uma bola de neve cresce e desestabiliza o relacionamento.

Pessoas com baixa autoestima acabam sabotando o relacionamento com sentimentos e atitudes negativas e tóxicas em excesso como ciúmes, medo de ser abandonada, submissão, cobranças, reclamações, mágoas, brigas, vitimização.

Uma das piores consequências de estar com autoestima baixa é permitir e colocar a sua própria felicidade na mãos de outra pessoa, pois quando isso acontece as chances de viver um relacionamento longo e frustrante ou vários relacionamentos instáveis é muito alta.

Boa parte da autoestima é construída na infância e na adolescência, mas uma boa noticia é que ela pode ser tratada e reconstruída em qualquer fase de nossa vida.

Uma informação muito importante é que através das escolhas que fazemos vamos alimentando nossa autoestima com conteúdos positivos ou negativos.

Então se você faz escolhas desastrosas, mesmo sem querer você fortalece o que é ruim. O segredo então está em: quanto mais escolhas positivas você fizer, mais autoestima você adquire e mais forte fica.

Vamos Aprender Maneiras de Reconstruir e Elevar Sua Autoestima?

Exercite o autoconhecimento

Valorize e enfatize suas qualidades, faça uma lista e saiba exatamente quais são elas, você também pode perguntar para pessoas próximas quais as qualidades que elas enxergam em você, reconheça seus defeitos e busque seus pontos de melhoria, todos nós temos qualidades e defeitos e eles são o conjunto de nossas características.

Ao se conhecer você saberá com clareza fazer escolhas mais assertivas para sua vida em qualquer área, inclusive na vida amorosa.

Não se autocritique demais

Todos os seres humanos erram, então permita-se errar, mas é importante não manter-se no mesmo erro. A autocrítica em excesso revela a intolerância á frustração, ou seja, cada erro que você comete será uma verdadeira tortura. Ninguém conseguirá agradar 100% seu parceiro e vice-versa, pois isso é humanamente impossível.

Saia do papel de vítima e se responsabilize

Cada um dentro da relação tem responsabilidades e deve assumi-las, se algo não vai bem descubra qual o seu papel nesse problema e resolva, não espere a atitude para se posicionar e solucionar o que precisa. Responsabilize-se pelas suas experiências.

Separe um tempo para você

Faça atividades sem o seu parceiro e deixe que ele também faça sem você, saia para se divertir, conversar, estudar etc, reserve um tempo só para você.

Mesmo estando juntos vocês podem e devem ter outras atividades sem o parceiro, isso fortalece a relação pois o casal não precisa abrir mão da individualidade que cada um precisam ter.

Deixe de querer controlar o que você não pode

A ansiedade e a frustração costumam minar a autoestima. Desista de querer mudar atitudes e comportamentos que não sejam os seus, entenda que querer controlar alguém é algo muito egoísta, deixe que o outro se mostre como ele realmente é, não tente mudar ninguém a não ser você mesma, você tem a opção de aceitar a pessoa como ela é ou não. Foque em você e na sua própria mudança, ao fazer isso você fortalece sua autoestima.

Aceite o que você não pode mudar

Mesmo com nosso esforço existem coisa que não podem ser mudadas, portanto, aceite as suas imperfeições, aquelas que você não pode mudar. Escreva, ou cole em algum lugar que você possa ler sempre: “eu tenho o direito de não ser perfeita, sou humana.”

Exponha sua opinião

Não imponha o que você quer nem sua opinião, mas verbalize, se expresse e mostre que sua opinião é tão importante como a do seu parceiro, dessa maneira você não fica insatisfeita e com a sensação de que sua opinião não tem valor, dessa maneira o casal consegue negociar e encontrar a melhor solução, isso fortalece a união e a importância de cada um na relação.

Ame-se sempre!

Se você quer saber mais sobre esse assunto, escrevi um E-Book onde fala sobre 5 atitudes que você NÃO deve ter para manter seu relacionamento sempre acima da média!!!!


 
Gostou? Te ajudou? Compartilhe comigo!!!!!

Continue Reading

Baixa Autoestima em Mulheres: 05 Sintomas e Como Eles Afetam os Relacionamentos

Baixa Autoestima em Mulheres

A autoestima é definida como a maneira que enxergamos a nós mesmos, o julgamento que cada um faz sobre si próprio.

Ela reflete diretamente o quanto nos amamos e nos respeitamos. Mulheres com a autoestima baixa não sentem-se capazes de enfrentar os desafios da vida e consequentemente não acreditam no seu potencial.

Quando a mulher não se conhece o suficiente acaba gerando uma imagem distorcida de si mesma gerando assim os sintomas negativos e sabotadores.

De maneira consciente e também inconsciente ela desvaloriza seus sentimentos e suas escolhas no dia-a-dia e essa maneira de pensar e sentir reflete diretamente na sua postura emocional e como age.

Pouca ou Nenhuma Auto-Confiança

Baixa Autoestima em Mulheres

A pessoa sente muita dificuldade em traçar metas, quando traça desiste facilmente pois acredita não ser capaz de conseguir alcançar o que deseja, no campo de relacionamentos a falta de confiança em si mesma reflete na aceitação de situações de humilhação, situações que são intoleráveis ou pouco toleráveis, como violência psicológica, traições frequentes etc.

Autoanálise Exagerada

Baixa Autoestima em Mulheres

A ênfase encontra-se nos defeitos, ela acaba focando-se e valorizando os suas características “ruins” e desvalorizando o que tem de melhor. No campo das relações afetivas por não sentirem-se “merecedoras” o suficiente do amor do parceiro criticam-se bastante, cobram-se exageradamente e comparam-se muito com outras mulheres na maioria das vezes sentindo-se inferiores, por exemplo em situações de traição e financeira.

Pouca ou Nenhuma Auto-Segurança

Baixa Autoestima em Mulheres

Sentem muitas dificuldades em tomar decisões. Nos relacionamentos acabem tornando-se submissas, muitas acreditam não ser capazes de decidir o que é melhor para si e sujeitam-se a relacionamentos onde não valorizam sua própria referência, esperam muito do parceiro e se vitimizam.

Sentimento de Inferioridade

Baixa Autoestima em Mulheres

Como se enxerga com pouca valorização a inferioridade acaba se sobressaindo na hora de tomar decisões. O sentimento de menos valia reflete nas relações onde não se sente capaz de ser uma mulher que passe sentimentos autovalorização para seu valorização e muitos acabam enxergando assim, pois as atitudes e falas condizem com os sentimentos.

Tendência a Relacionamentos Tóxicos

Baixa Autoestima em Mulheres

Como a baixa autoestima revela pessoas com muitos sentimentos sabotadores e prejudiciais elas consequentemente tenderão a engatar relacionamentos com pessoas ruins, pois sentem dificuldades em impor seus limites para si mesmas e para o parceiro.

Diante dessas questões é importante que a pessoa faça uma autoanálise sobre suas emoções comportamentos diante das decisões de vida.

Pense sobre como anda sua vida atualmente e avalie suas respostas, elas de um modo geral devem estar direcionadas para atitudes onde sua auto-liderança esteja presente.

Como estão seus pensamentos em relação a si mesma?

As suas atitudes , suas decisões tem sido benéficas para você?

Como você enxerga as escolhas que faz para a sua vida?

Você está contente com sua maneira de agir?

Como você agiu diante da últimas decisões importantes que tomou sobre sua vida?

Estando consciente das respostas agora é a hora oportuna para que a você entre em ação e recupere sua autoestima, encontrando e modificando o que deve ser melhorado.

Existem, no entanto, mesmo com todas as informações em mãos muitas mulheres que sentem dificuldades em encontrar e modificar o que não está bem em si mesmas e repetem padrões de comportamento, consequentemente sofrendo, você tem a solução em suas mãos mas não consegue ver e é justamente nessa situação que o coaching faz a diferença, ajudando a encontrar os “pontos cegos”, e a mulher promove sua própria mudança de maneira consistente e duradoura.

Pensando nisso eu criei o Programa de Coach Afetivo Para Mulheres onde vamos estar juntas por 9 encontros quinzenais ou semanais individuais. Nesse programa vou te guiar pelo caminho do autoconhecimento rumo a relacionamentos saudáveis e duradouros.

Clique aqui, conheça em detalhes o cronograma do programa e faça sua aplicação para participar enquanto ainda é tempo! A disponibilidade de vagas é limitada por contar com a disponibilidade de tempo na minha agenda que é apertada. Você precisa agir agora!

Beijos,
Renata Araújo
Nos vemos no programa!

Continue Reading